Menu

quinta-feira, 7 de setembro de 2017

Memórias


"Somos escravos das nossas memórias.

Olhamos para o passado, contando uma história de nós mesmos, e chamamos isso de identidade. Olhamos para o futuro, buscando novas histórias para conquistar, e chamamos isso de planejamento. Guardamos algumas coisas em nossa memória para uso imediato, para permanecermos ligados ao que está à nossa frente, e chamamos isso de foco ou atenção.

Sem memórias, não haveria cultura. Não haveria História. Reinventaríamos a roda todos os dias. Nossa coerência, nossa racionalidade, nossos sentimentos -- nada disso existiria se não fôssemos capazes de lembrar.

A vida é composta pelo que lembramos e pelo que esquecemos. Essa dança entre aquilo que guardamos e o que deixamos para trás. Os sentimentos mais virtuosos -- amor, gratidão, alegria -- são frutos da memória. Assim como a maior angústia: o arrependimento.

Não há esperança se não lembrarmos o que esperar. Não há saudade se não lembrarmos daquilo que, mesmo longe no espaço ou no tempo, nos alegrou.

Na ficção científica, a ideia de viajar no tempo é sedutora. Mas todos possuímos, de fábrica, a mais fantástica máquina do tempo: nossos cérebros. Levando-nos ao céu e ao inferno das lembranças.

Todo tormento, toda preocupação, toda discórdia, tudo o que nos faz felizes e o que nos motiva -- tudo isso emerge da nossa memória, frequentemente ignorando nossas vontades, durante essa breve história que, quando lembramos, chamamos de vida."

 - Pedro Calabrez Furtado

O resto é com vocês...
Bons ganhos e um grande abraçoo

3 comentários:

  1. acho que sou mais que minhas memórias, que são parte de minha consciência individual.

    abç!

    ResponderExcluir
  2. Poetizando num feriado. Você ta bem amigo ou bateu a deprê? De qualquer forma muita força aí e se quiser compartilhar com a gente fica a vontade

    ResponderExcluir