Menu

terça-feira, 29 de dezembro de 2015

Semana 3 e 4(Financial Markets) - Corporate Stocks and Real Estate


 Resumi as 3 semanas em um post, pois tratam de temas já amplamente discutidos aqui na blogosfera. A maioria são conceitos básicos, por isso irei apenas sintetiza-los aqui.

Corporate Stocks

Corpoation: significa Pessoa Artificial.
Historicamente as primeiras vendas de partes de corporações ocorreram na Roma Antiga, em um pequeno mercado de ações chamado de Publicani.

Nos E.U.A o patrimônio é chamado de Equity, o próprio nome tem uma conotação de igualdade. E ele é medido em cotas(shares). Cada Share equivale a um voto. Isso é extremamente democrático, pois todos aqueles que possuem shares, participam da eleição do Board of Directors(Conselho), que são as pessoas que realmente dão as diretrizes de uma empresa.
Os CEOs devem dar satisfação para eles e devem fazer votações para tomar as decisões mais importantes.

Obviamente, uma pessoa pode ter mais de uma cota. Por isso, como tudo no mundo, indivíduos tendem a ir acumulando e, consequentemente, passam a ter mais peso e influencia nas votações. O problema é quando estes indivíduos passam a votar em nome de seus próprios interesses e não em prol do futuro da organização.

Dividendos: são a distribuição dos lucros da empresa.

O preço de uma ação deve ser o valor presente dos dividendos futuros esperados. Assim, podemos concluir que o valor futuro de uma empresa está inteiramente nas dividendos.
NOTA: É por isso que eu dou valor aos FIIs. O preço deles no atual momento, é de fato, muito atraente.

Existem 2 tipos de ações de empresas.
Common(Ordinárias): São ações comuns, que dão direto a voto. São os verdadeiros donos da empresa, ninguém está acima deles na cadeia hierárquica.
Preferred(Preferenciais): É como um titulo do tesouro. Elas pagam os dividendos sempre e esperados, caso a empresa opte por parar de pagar, quando ela voltar a faze-lo, deve primeiro pagar os dividendos do período para aqueles que tem ações preferenciais. SEMPRE OS DETENTORES DESTE TIPO DE AÇÃO RECEBEM DIVIDENDOS PRIMEIRO.

Real Estate

É uma das mais importantes classes de ativos do mundo. Trata-se de qualquer imovel, no entanto falaremos aqui sobre Real Estate Investment Funds (REITs), no Brasil chamados de Fundos de Investimento Imobiliário(FIIs). Geralmente Real Estate são propriedades privadas (mas podem não ser, na China não são.).

Um dos benefícios de se investir em imóveis em fundos é o modo como eles são taxados. Infelizmente, tem circulado notícias por ai de uma mp que mudará a taxação. Isso é triste, pois em boa parte dos países, estes imóveis negociados em fundos de investimentos possuem esse beneficio, e tal mudança acarretará em uma fuga de capital. É um verdadeiro tiro no pé, Não acredito que o governo ganhe com isso, mas enfim.

Alguns fundos são só pra "Accredited Investors" que são pessoas bem ricas com pelo menos 1 milhão de dólares em receitas anuais. O número de investimentos assim vem diminuindo dramaticamente graças a recente democratização das finanças.  Isso é bom, e resulta em um mundo mais justo e igualitário. NÃO DE BENS, MAS DE OPORTUNIDADES.

As receitas provenientes dos alugueis ou vendas das propriedades são pagas aos cotistas do fundo diretamente. Eles recebem um valor proporcional ao percentual que possuem do fundo.
Existem duas classes envolvidas.
General Partners: São aqueles que administram o negócio. São as administradoras que cuidam dos FIIs.
Limited Partners: São investidores passivos. São os Cotistas.

Não quero me alongar muito, já tratamos sobre esse assunto por aqui antes, mas existe algo novo que percebi recentemente. Um dos riscos que eu não havia previsto são os incentivos artificiais do governo para acelerar e incentivar a indústria de imóveis.  É claro que da pra diversificar, mas isso pode causar um aumento indesejado da oferta e resultar uma queda brusca de resultados no longo prazo. Temos que ficar espertos com isso.



No próximo post vou falar sobre um dos ensinamentos que mais gostei, que é sobre mercados futuros. É uma história bem legal!

Grande Abraçoo

2 comentários:

  1. Olá amigo BI!

    Alguns pontos que merecem destaque:

    "O preço de uma ação deve ser o valor presente dos dividendos futuros esperados. Assim, podemos concluir que o valor futuro de uma empresa está inteiramente nas dividendos."

    É aqui (acima) que o Buffet enriqueceu ... O cara ia nas empresas (se não me engano), entendia o negócio e conseguia precificar. Isto é o que a maioria de nós, pequenos investidores, não sabe. No longo do tempo, a cotação segue lucro, esta corretíssimo.

    Um conceito do Buy&Hold: Sócio é sempre ON. Bem lembrado.

    Isto me lembra um dos últimos trades que fiz, em Gerdau. Decidi comprar Gerdau para um Swing Trade, pois no indicador Williams % me deu sinal de entrada. Estava entre GGBR4 (PN) e GGBR3 (ON). Pensei: Vou de GGBR4 que tem maior liquidez.

    Terrível erro: Não sei por qual motivo, mas GGBR3 (ON) subiu 12% (meu objetivo era 10%), e a GGBR4 não subiu nem 2%, nunca tinha visto um descolamento tão grande.

    No final das contas, tomei um baita de um Stop Loss, foi minha última operação, acho que entrei R$ 6,40 e saí R$ 6,20, prejuízo terrível.

    Bacana, estou gostando dos posts, diferenciados e com bons ensinamentos.

    Abraço

    ResponderExcluir
  2. Fala burguês estatísticas do mercado tupiniquim tem revelado que o interessante seria ter um percentual misto para diluir o risco entre classe de ativos..
    30 Renda fixa , 30%FII assim por diante, algumas estratégias de all in classes de ativos no Brasil se revelam perigosas.
    Os incentivos principalmente no setor imobiliário são referentes ao crédito e isenções.
    Incentivos no setor privado se da por meio de subsidio a montadoras etc.
    As regras do jogo se alteram por MP , assim com tem incentivos em alguns setores outros são penalizados como o setor elétrico.


    ResponderExcluir